sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Dilma enfrenta protesto em Minas e diz que prioridade é gerar empregos


                           www.imagemfolheados.com.br/parceria/?a=26315 

                        Dilma diz que prioridade é manter emprego dos que não têm estabilidade
Em meio a uma greve que atinge vários setores do funcionalismo público federal, a presidente Dilma Rousseff enfrentou nesta sexta-feira (10) um protesto de servidores paralisados, em Rio Pardo de Minas (685 km de Belo Horizonte), e respondeu dizendo que sua prioridade é assegurar emprego para quem não tem estabilidade.

Sem citar as greves, Dilma disse que seu governo vai "assegurar emprego para aquela parte da população que é mais frágil, não tem direito a estabilidade, porque pode e esteve muitas vezes desempregada".

"Não queremos isso, queremos todos os brasileiros empregados, ganhando seu salário e recebendo serviços públicos de qualidade", completou a presidente.

Segundo a presidente, o cenário de crise internacional na economia ainda requer cautela por parte do governo.

"O Brasil sabe, porque tem os pés no chão, que ele pode e vai enfrentar a crise e passar por cima dela assegurando emprego para todos os brasileiros", afirmou.

A presidente manifestou um posicionamento que já vinha sendo externado por integrantes do primeiro escalão do Planalto.

                         www.imagemfolheados.com.br/parceria/?a=26315 

No último dia 27, por exemplo, a ministra Ideli Salvatti (Relações Institucionais) afirmou que a prioridade do governo no momento são os trabalhadores da iniciativa privada.

"Nesse momento existe uma avaliação que se deve focar e usar os mecanismos financeiros disponíveis para proteger os mais frágeis. E, diante de uma crise econômica, os mais frágeis são os trabalhadores da iniciativa privada, que não têm estabilidade", disse Ideli na ocasião.

O argumento da crise internacional também já foi utilizado pelo ministro Gilberto Carvalho (Secretaria-Geral da Presidência). Em entrevista à Folha, Carvalho afirmou que a crise econômica recomenda prudência ao governo na negociação com os servidores.

"Em 2009, a crise, apesar de aguda, seria de duração curta. Hoje, estamos diante de uma crise profunda e sistêmica. Por isso é recomendado prudência maior", disse o ministro, que indicou, porém, chances de haver aumentos, mesmo que pontuais.

"O real é que o governo, para a maioria das categorias, ainda não apresentou proposta. Temos até o dia 31 para fazê-lo. Estamos tentando esgotar todas as possibilidades, cotejando os números para ver que propostas vamos fazer", disse.

A ministra Miriam Belchior (Planejamento), negociadora do governo com o movimento grevista, prometeu para a próxima semana uma resposta final sobre o reajuste aos servidores federais.

Fonte: Agencia de Noticias Jornal Floripa

                                   www.imagemfolheados.com.br/?a=26315  

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade