terça-feira, 9 de julho de 2013

Defesa civil capacita agentes comunitários de saúde do Rio para atuar em situação de desastres

09/07/2013 às 18h25

Os agentes comunitários de saúde de quatro municípios do Rio de Janeiro serão capacitados para atuar como multiplicadores de ações de defesa civil e saúde em desastres naturais. A ideia é que estes profissionais forneçam orientações de proteção e defesa civil nas comunidades onde residam ou trabalham. Atualmente, 55 agentes já participam do curso, mas a meta é capacitar 420 agentes em todo o estado.
Caberá aos agentes melhorar a percepção de risco dos moradores, orientando as famílias quanto às rotas de fuga pré-estabelecidas e até mesmo ajudar no processo de evacuação na iminência de um desastre. No segundo semestre deste ano, os agentes capacitados atuarão como multiplicadores em seus respectivos municípios, sob a supervisão técnica da Fiocruz.
O Curso de Agentes Locais de Vigilância em Saúde em Defesa Civil é promovido pela Secretaria Nacional de Defesa Civil (Sedec), em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) e instituições federais do Rio de Janeiro.
De acordo com Armin Braun, da Defesa Civil Nacional, o Ministério da Integração Nacional realizará outras capacitações a distância ainda este ano. "Esse projeto vai gerar uma sequência de cursos a distância. A tendência é que realizemos nesse ano mais de 2,5 mil capacitações. É um trabalho que a gente quer ter continuidade para atingir o maior número possível de pessoas", conta.
Para o aluno Marcelo Abelheira, a atuação dos agentes nas comunidades é importante porque eles conhecem a realidade dos moradores. "Os agentes locais têm um papel fundamental na redução de desastres, porque eles lidam diretamente com as pessoas, eles conhecem as vulnerabilidades do local. Isso é fundamental pra ajudar a gente e passar uma confiabilidade para os moradores", explica Braun.
A capacitação conta com momentos presenciais, estudos dirigidos e trabalhos de campo orientados. O curso possui 90h de formação, sendo 50h presenciais e 40h a distância. Os alunos participam de aula presencial no município de Petrópolis sempre às segundas-feiras. Esse é um projeto piloto, que posteriormente deverá ser oferecido para todo o país na modalidade a distância (EAD).
Para essa etapa, foram escolhidos cinco perfis de profissionais diferentes que atuam diretamente com as comunidades: agentes comunitários de saúde, agentes de vigilância em saúde, agentes de vigilância ambiental, agentes de controle de endemias e profissionais que trabalham na área de proteção e defesa civil.
Fonte: Portal Planalto com informações do Ministério da Integração Nacional

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade