terça-feira, 12 de novembro de 2013

Líderes propõem retirar reajustes do projeto do piso para agentes de saúde

Proposta foi discutida em reunião com ministra Ideli Salvatti nesta segunda. Pelo texto, piso de R$ 903 entraria em vigor somente no ano que vem.


Em reunião com a ministra de Relações Institucionais, Ideli Salvatti, os líderes da base aliada na Câmara dos Deputados levaram propostas para tentar destravar a discussão sobre a criação de um piso salarial para os agentes comunitários de saúde. A sugestão mais próxima de um entendimento, segundo o líder do PROS, Givaldo Carimbão (AL), seria a que retira do texto os percentuais de reajuste anual, que são a principal preocupação do governo.

Segundo Carimbão, a proposta ainda precisa ser levada para a presidente Dilma Rousseff. A ministra do Planejamento, Miriam Belchior, que também participou do encontro, ficou de fechar uma proposta ainda nesta segunda-feira e conversar com Dilma Rousseff na terça.
Se for aceita, o repasse do governo federal aos municípios subiria dos atuais R$ 950 para R$ 1.012 por agente comunitário. O município ficaria obrigado a repassar pelo menos R$ 903 ao agente; o restante poderia ser usado para custear outras despesas relacionadas ao programa.
O líder do PROS explicou que seria retirado o trecho que trata dos reajustes anuais, que pelo texto seriam atrelandos ao aumento do salário mínimo. De acordo com ele, a Constituição não permite a vinculação ao salário mínimo.
Na última segunda-feira (4), a ministra Ideli fez um "forte apelo" aos líderes da base para evitarem aprovação de projetos que aumentassem os gastos do governo. O projeto, que está pautado para a sessão de terça-feira (5), acabou não entrando na votação.
Do G1, em Brasília

7 comentários:

  1. Até concordo com valores, mas retirar os marcadores de reajuste não.
    Ai eles ficam 2 anos sem reajuste e pronto iguala novamente ao minimo.

    ResponderExcluir
  2. é uma proposta que no futuro ficaremos ganhando abaixo do salario minimo ,acredito que com isso vamos simplesmente ter perca ,sem reajuste anual com dois anos estaremos todos sem condição de trabalhar ,o que vamos ganhar mal vai da para compra o básico feijão e arroz melhor nada ,deixe como esta ,façam um teste e passem um mês com um salário tão grande que faz tanto prejuizo aos gastos,o Brasil ainda não foi a falência com tantos gasto como ja foram mostrado pela mídia só um salário digno para quem tanto contribui a saúde preventiva do país ,mais fazer o que vivemos em um país que quem trabalha ganha minimo

    ResponderExcluir
  3. Eles acham que estão lidando com otários!

    ResponderExcluir
  4. essea deputados acham q estão negociando com palhaços!!!! na hora de aumentos os seus salarios nem fizeram tanto discurso...lhe concederam um aumento significativo!!! agora para uma classe q realmente merece é essa miseria...tenho vergonha dessa nossa democracia CORRUPTA!!!!

    ResponderExcluir
  5. TBn acho que com o passar do tempo estaremos igulitario!!! SE realmente fosse repassado esse custeio para nosso bem esatr estaria sendo muito bom ....Mas nunca acontece isso...SOME o dinheiroooooooooooooooooo

    ResponderExcluir
  6. Ela não reviu nada,procurem ver as mudanças em nosso projeto,tirando todas as nossas garantias. Agente pelo projeto original é pra ser 950 de salario e ate 2015 fechar em 2 salários mínimos. Dilma que passar ou é 850 ou é 903 de salario, e ficaremos sem datas nem percentuais de reajustes salariais, significa que daqui a uns 2 anos esse salario esteja igual a 1 salario mínimo. Ela joga sujo com a saúde brasileira.

    ResponderExcluir
  7. mais uma vez, somos juntos pelo Brasil a fora +/- 60.000 juntando as duas categorias ACE's ACS's, sem contar pelo menos 4 votos de cada casa desses agentes, e sem contar que visitamos pelo menos 20 casa por dia, que por sua vez também tem outros 4 votos. Então vamos fazer um continha.
    60.000 X 4 X 20 X 4 = 19.200.000 (dezenove milhões e duzentos mil votos) que tal pensarmos nisso e fazermos valer nas URNAS no próximo ano. Precisamos agir.....

    ResponderExcluir

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade