quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Agentes de saúde vencem abandono em centro comunitário com projetos

Equipe do PSF do bairro Javari reergueu unidade esquecida em Piracicaba. Prédio abriga cursos, coral e até mesmo horta produzida pela comunidade.



Agentes comunitárias mostram cenouras retiradas de horta comunitária - Piracicaba (Foto: Thomaz Fernandes/G1)Agentes comunitárias mostram cenouras retiradas
de horta comunitária (Foto: Thomaz Fernandes/G1)
Além da função que cumprem à risca como agentes de saúde nos bairros Javari 1, 2 e 3, os integrantes do Programa Saúde da Família (PSF) que atuam nesta região de Piracicaba(SP) transformaram a realidade de muitos moradores da localidade: a equipe também coordena trabalhos que vão desde o incentivo à prática de exercícios físicos à alfabetização de adultos.


Há pouco mais de um ano instalado no centro comunitário do bairro, o grupo de seis pessoas encontrou o imóvel com janelas quebradas e lixo espalhado, situação parecida com boa parte dos centros comunitários da cidade. Construída em um ponto afastado do Javari 3, a unidade também já serviu de "motel" e ponto de encontro de adolescentes usuários de drogas.


Aos poucos, e com a adesão dos moradores, o local foi se transformando. O vidro quebrado deu lugar a uma janela, o mato alto se tornou uma horta comunitária e o espaço que antes era repleto de lixo, garrafas e camisinhas agora está apto para receber pouco mais que 50 pessoas para diversas aulas semanais.
Crianças do bairro durante construção de horta no Javari, em Piracicaba (Foto: Agatha Cristiane/Divulgação)
Crianças do bairro durante construção de horta no Javari, em Piracicaba (Foto: Agatha Cristiane/Divulgação)
'Arregaçamos as mangas'
Atualmente há 11 atividades sendo realizadas no centro comunitário dos bairros Javari 1, 2 e 3: dois tipos diferentes de ginástica, arte terapia, duas turmas do projeto Pequeno Cidadão, o programa Ser Criança (recreação), artesanato para adultos, artesanato para crianças, alfabetização para adultos, projeto Plantando uma Semente e aulas de coral.
Todos os cursos são feitos graças ao trabalho voluntário da enfermeira e do técnico em enfermagem, além de outras quatro agentes comunitárias. "Nós arregaçamos as mangas e fomos ao trabalho, conseguimos doações e ainda tiramos muito do nosso bolso. Aos poucos a comunidade foi aderindo e ajudando. Hoje em dia temos até mesmo monitores do bairro entre as turmas", contou a enfermeira que chefia a unidade, François Monalisa Paixão, de 35 anos.
A agente de saúde Joelma Olegário, de 36 anos, disse que o bairro não possui associação formalizada, mas que já há pessoas interessadas em coordenar o local e realizar trabalhos de parceria com o PSF.
"Com o tempo fomos recebendo muita adesão do bairro, até mesmo os garotos que fumavam maconha aqui perto pararam de vir depois que nós pedimos que não fizessem isso perto das crianças. Muito desse trabalho é voluntário, mas realizador", completou.
Em três dias, a reportagem percorreu 23 centros comunitários ativos e inativos em Piracicaba. Em alguns a população se apropriou e conduz trabalhos sociais, como no bairro Pauliceia, com a Casa do Hip Hop, e no Parque 1º de maio. Em outros, a existência se deve somente a projetos do poder público.
Centro comunitário do bairro Javari promove alfabetização de adultos - Piracicaba (Foto: Agatha Cristiane/Divulgação)Centro comunitário do bairro Javari promove alfabetização de adultos (Foto: Agatha Cristiane/Divulgação)Do G1 Piracicaba e Região

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade