terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

Vacina do Butantan contra dengue entra em fase final de testes

Testes envolverão 17.000 participantes de 13 cidades nas cinco regiões do Brasil. Voluntários interessados em tomar o imunizante devem ser saudáveis e ter entre 2 e 59 anos

TEVE INÍCIO NESTA SEGUNDA-FEIRA (22), NO HOSPITAL DAS CLÍNICAS DA FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO (HC/FMUSP), A ÚLTIMA ETAPA DE ENSAIOS CLÍNICOS DA VACINA TETRAVALENTE CONTRA A DENGUE DESENVOLVIDA PELO INSTITUTO BUTANTAN. A TERCEIRA FASE DE ENSAIOS CLÍNICOS DA VACINA CONTRA A DENGUE COMEÇA COM 1,2 MIL VOLUNTÁRIOS RECRUTADOS PELO HC/FMUSP – UM DOS 14 CENTROS CREDENCIADOS PELO BUTANTAN PARA A REALIZAÇÃO DOS TESTES, QUE ENVOLVERÃO 17 MIL PARTICIPANTES DE 13 CIDADES NAS CINCO REGIÕES DO BRASIL. DEZ PESSOAS FORAM VACINADAS NO PRIMEIRO DIA.
A estimativa do Instituto é que todos os participantes estejam vacinados dentro de um ano. Os resultados da pesquisa dependem de como será a circulação do vírus, mas o Butantan acredita ser possível ter a vacina disponível para registro até 2018.
Os voluntários já inscritos entraram em contato diretamente com o hospital ou deixaram seus dados no Serviço de Atendimento ao Cidadão do Butantan, autorizando que eles fossem repassados ao centro de pesquisas do complexo hospitalar. Eles têm entre 2 e 59 anos de idade e residem em diferentes localidades da capital paulista e da região metropolitana da Grande São Paulo.
Na capital paulista, o cadastro de interessados em participar do estudo passa de duas mil pessoas. Podem ser voluntários do estudo pessoas que estejam saudáveis, que já tiveram ou não dengue em algum momento da vida e que se enquadrem em três faixas-etárias: 2 a 6 anos, 7 a 17 anos e 18 a 59 anos. Interessados também podem procurar o SAC do Butantan pelo e-mail sac@butantan.gov.br.
Os participantes serão acompanhados por um período de cinco anos para verificar a duração da proteção oferecida pela vacina. O acompanhamento será feito por meio de visitas programadas para coleta de amostras, além de contatos telefônicos e mensagens por celular.
A vacina do Butantan, desenvolvida em parceria com o National Institutes of Health (EUA), tem potencial para proteger contra os quatro vírus da dengue com uma única dose e é produzida com os vírus vivos, mas geneticamente atenuados, isto é, enfraquecidos. Com os vírus vivos, a resposta imunológica tende a ser mais forte, mas como estão enfraquecidos, eles não têm potencial para provocar a doença.
Além do HC, a Santa Casa de Misericórdia de São Paulo, na capital paulista, também foi credenciada pelo Butantan para a realização dos testes da fase 3. Nos outros 12 centros, o cronograma de vacinação deverá ser divulgado em breve.
A pesquisa também será conduzida em Manaus (AM), Porto Velho (RO), Boa Vista (RR), Aracaju (SE), Recife (PE), Fortaleza (CE), Brasília (DF), Cuiabá (MT), Campo Grande (MS), Belo Horizonte (MG), São José do Rio Preto (SP) e Porto Alegre (RS).
Até o momento, a vacina já foi testada em 900 pessoas: 600 na primeira fase de testes clínicos, realizada nos EUA pelo NIH, e 300 na segunda etapa, realizada na cidade de São Paulo pela Faculdade de Medicina da USP, parceira do Butantan. Os dados disponíveis até agora das duas primeiras fases indicam que a vacina é segura, induz o organismo a produzir anticorpos de maneira equilibrada contra os quatro vírus da dengue e é potencialmente eficaz.
Recursos para pesquisa 
Durante o evento que marcou o início da  fase final de testes, foi assinado um acordo entre o Ministério da Saúde e o Instituto Butantan que prevê investimento de R$ 100 milhões nos próximos dois anos para o desenvolvimento do estudo. Ao todo, o governo federal se comprometeu a investir R$ 300 milhões para concluir os testes do imunizante. Além dos recursos do Ministério da Saúde, estão sendo analisados outros R$ 100 milhões do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação, por meio de um contrato da Financiadora de Estudos e Projetos (Finep), e R$ 100 milhões do Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES).
Foram anunciados também mais R$ 100 milhões a serem investidos pela FAPESP nos próximo cindo anos em pesquisa aplicada ao desenvolvimento de vacinas, soros, técnicas de diagnóstico rápido, estudos epidemiológicos (coorte) e outros temas relacionados aos vírus causadores de zika, dengue e chikungunya. 
Acordo com o Ministério da Saúde prevê investimentos de R$ 100 milhões para a 3ª fase de ensaios clínicos imunizantes. Foto:  Camilla Carvalho/Acervo Instituto Butantan
Acordo com o Ministério da Saúde prevê investimentos de R$ 100 milhões para a 3ª fase de ensaios clínicos imunizantes. Foto: Camilla Carvalho/Acervo Instituto Butantan

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade