sexta-feira, 21 de outubro de 2016

No Recife: Pesquisadores do Brasil e do mundo se unem para tirar dúvidas sobre o zika

ZikaPlan é formado por 25 instituições de pesquisa dos cinco continentes.
Financiado pela Comissão Europeia, grupo pretende atuar por quatro anos.


Consórcio internacional promete responder dúvidas sobre o zika (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)
Pesquisadores se reúnem desde o dia 19 deste mês,
mas lançamento do projeto ocorreu nesta sexta-feira
(21) (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)
Do jconline

Professores e pesquisadores de instituições de saúde pública de 11 países da América Latina, América do Norte, Europa, África e Ásia lançaram nesta sexta-feira (21), na reitoria da Universidade de Pernambuco (UPE), no bairro de Santo Amaro, área central do Recife, a Rede de Enfrentamento ao Zika da América Latina – ZikaPlan.

Consórcio formado por 25 instituições de pesquisa, a ZikaPlan terá quatro anos de duração e é financiada pela Comunidade Europeia. Nesse período, a ZikaPlan vai receber 11,5 milhões de euros (R$ 39,5 milhões) para incrementar os estudos e o combate ao vírus. É um suporte a pesquisas em andamento e a novas pesquisas.


“Vamos trabalhar juntos em busca de perguntas ainda não respondidas para o zika vírus, como a microcefalia, a zika congênita, os riscos durante a gravidez, a distribuição das manifestações, a evolução das crianças com microcefalia, os mecanismos que causam a Síndrome de Guillain-Barré”, afirma a brasileira Laura Cunha Rodrigues, pesquisadora da London School of Hygiene and Tropical Medicine, em Londres.
VACINA

Ela aponta a associação entre zika e microcefalia como um dos avanços nos estudos. “Também avançamos nas pesquisas para a produção de vacinas, nesse campo já temos quase todo o conhecimento de que precisamos”, destaca Laura Cunha. “Sabemos que o vírus do zika não muda muito e com isso a vacina tem grandes chances de funcionar”, avalia.

De acordo com a professora, há 27 vacinas contra a zika sendo produzido em todo o mundo, no momento. O diretor do Instituto Butantan, Jorge Kalil, informa que o centro de pesquisas, sediado em São Paulo, está avançando na fabricação de uma vacina. “Se tudo correr bem, em dois anos teremos a vacina pronta”, diz ele.

“A proposta do consórcio é somar esforços para não perdemos tempo e nem fazermos pesquisas em duplicata, precisamos potencializar a capacidade de apresentar respostas”, destaca o epidemiologista Ricardo Ximenes, professor da UPE e da Universidade Federal de Pernambuco. O Recife foi escolhido para o lançamento da rede ZikaPlan porque o problema começou pelo Nordeste e daqui saíram as primeiras respostas, explica Ricardo Ximenes.

Participaram do primeiro encontro, no Recife, 60 pesquisadores. A próxima reunião presencial do grupo está programada para agosto de 2017 em Cuba.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade