segunda-feira, 7 de maio de 2018

SUS – o plano de saúde de todos os brasileiros corre riscos


Resultado de imagem para imagens do sus
Em uma dessas páginas da internet que cobrem “celebridades” – “Notícias da TV” – o ator Francisco Cuoco, 84 anos, reclamou do preço dos planos de saúde: “Ter plano de saúde é privilégio. Tem gente que paga R$ 4 mil, R$ 5 mil, é um absurdo, uma loucura. Estamos ferrados com a política que a gente tem”.

Não sei bem se “a política que a gente tem” refere-se à questão geral do país, ou especificamente aos planos de saúde. De qualquer modo pode-se considerar que estamos duplamenteferrados.

Mas existe um plano de saúde gratuito, a que todos brasileiro têm direito: o Sistema Único de Saúde (SUS), concebido na Constituição de 1988, e que universalizou o serviço de saúde no país.

















O SUS tem áreas de excelência, como o tratamento da HIV-Aids e da esclerose múltipla e vem se tornando referência para a hepatite C. O SUS é reconhecido mundialmente pelo tratamento de primeira linha oferecido para essas doenças. Os pacientes recebem gratuitamente medicamentos que não teriam nos planos privados. Além disso, o SUS também oferece gratuitamente uma lista de 869 medicamentos para doenças crônicas.

Mas o mesmo tratamento de ponta não acontece na área da oncologia, por exemplo, e outros procedimentos complexos. Há também a dificuldade em conseguir atendimento nos hospitais e ambulatórios; em marcar consulta com médicos especializados; longo de tempo de espera para cirurgias. Pode ser posto na conta também a má gestão administrativa e financeira.

Para o médico sanitarista Carlile Lavor, coordenador na Fiocruz no Ceará, há duas coisas que todo mundo sabe em medicina: quando o tratamento é mais caro e quando é mais barato. Mas caro é na UTI e mais barato é na atenção primária, nos postos de saúde.

Ele diz que o Brasil optou pelo sistema mais caro, cuidando da pessoa depois que ela adquire uma doença grave, pois descuida-se da prevenção. Carlile foi criador, no Ceará, do programa Agentes de Saúde, depois adotado pelo governo federal com o título Programa da Saúde da Família.

Portanto, o SUS precisa de mais recursos e de boa administração para que, de fato, passe a atender a todos os brasileiros – ricos ou pobres – com o mesmo desempenho que mostra em algumas áreas específicas.

No entanto, a tendência do governo federal é empurrar as pessoas para os planos de saúde privados “populares” como foi a proposta enviado pelo Ministério da Saúde à Agência Nacional de Saúde Complementar (ANS).

Na prática, tais planos e clínicas privadas “populares” já são uma realidade do mercado. As pessoas pobres são obrigadas a gastar o que não podem para ter um atendimento médico decente, que deveria, obrigatoriamente, ser oferecido pelo SUS.

A falta de investimentos, a má administração e a pressão feita pelo “mercado”, pode levar a uma situação ainda pior, sucateando irremediavelmente SUS, essa proposta generosa da Constituição de 1988, de oferecer a todos brasileiro um dos bens mais preciosos de que ele pode dispor – a saúde.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade