terça-feira, 26 de junho de 2018

Alergia faz parte. Será? saiba mais

Costumamos tratar alergias leves como algo que faz parte da vida, muitas vezes porque nos acostumamos a elas, e aos remédios. Mas será mesmo que temos que nos acostumar a algo que nos incomoda?

As alergias são, talvez, o mal mais comum, principalmente nas grandes cidades. A convivência com a poluição do ar, a emissão de gases dos veículos, as mudanças climáticas bruscas são os principais agentes físicos causadores de doenças respiratórias e na pele. Como não conseguimos nos desfazer das causas, aprendemos a conviver com suas consequências, certo? Errado. Segundo a fisioterapeuta especializada em Microfisioterapia Fresia Sa, “ninguém é obrigado a se acostumar com a doença, seja ela de que intensidade for”. Mas, então, o que fazer?

Fresia explica: “primeiro, é preciso entender que existem muito mais causas para as alergias do que os agentes físicos a que estamos acostumados. Muitas vezes, aquilo que é desencadeado por uma mudança climática avisa, na verdade, que há um desequilíbrio físico e emocional que precisa ser trabalhado”. Ela revela: “sabemos que os bebês já desenvolvem alergias ao entrarem em contato com agentes desconhecidos com os quais ainda não aprenderam a lidar. Por isso é mais comum que apareçam alergias, especialmente as dermatites, até os dois anos de idade”.


















“É como se fosse uma grande adaptação às mudanças incríveis a que o ser humano é submetido desde que nasce. Nessa etapa de vida é realizada talvez a maior diferenciação entre o que conheço e sei lidar (o EU) e o que é totalmente desconhecido e, por isso, aterrador (o NÃO EU)”, comenta Fresia, que lembra: “em menor escala, vivemos esse contato com o novo em nossa vida cotidiana, e esse novo pode estar relacionado ao ambiente, sim, mas também pode estar intimamente ligado ao modo como encaramos a vida”.

A especialista lembra que muitos sintomas do nosso organismo são acionados por descargas hormonais e por neurotransmissores, ambos dirigidos pelas nossas emoções, por isso é possível pensar que muitos processos alergênicos estão conectados com aquilo que sentimos e pensamos. “Imagine que você tem, em seu corpo, muitas memórias gravadas em células e tecidos, mas dos quais efetivamente você não se lembra. Então, pode seguir sentindo as alergias e tomando medicamentos que vão atenuar seus efeitos, mas que não vão curar suas causas”, explica Fresia..

É aí que entra a Microfisioterapia, ao mapear nosso corpo e entender onde estão, se houver, as memórias de traumas e situações gravadas e que podem, de forma totalmente inconsciente, estar dirigindo nossas emoções. E, com isso, o funcionamento do nosso corpo, incluindo aí o desencadeamento de processos alérgicos. Como fazer? Segundo Fresia, o processo todo começa com a descoberta de uma possível causa emocional para a alergia. “Com isso, metade do caminho para a cura já terá sido percorrido”, finaliza ela.




Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade