quarta-feira, 14 de novembro de 2018

Governo cubano anuncia saída do programa Mais Médicos

Bolsonaro comentou sobre a decisão em seu Twitter afirmando que Cuba não aceitou as mudanças propostas

Do R7

"O presidente eleito do Brasil, Jair Bolsonaro, fazendo referências diretas, depreciativas e ameaçadoras à presença de nossos médicos, declarou e reiterou que modificará termos e condições do Programa Mais Médicos, com desrespeito à Organização Panamericana da Saúde e ao conveniado por ela com Cuba, ao pôr em dúvida a preparação de nossos médicos e condicionar sua permanência no programa a revalidação do título e como única via a contratação individual", afirma trecho da nota.

Bolsonaro comentou sobre o assunto em seu Twitter na tarde desta quarta. O presidente eleito diz que "Cuba não aceitou" mudanças que propôs para o programa. "Condicionamos à continuidade do programa Mais Médicos a aplicação de teste de capacidade, salário integral aos profissionais cubanos, hoje maior parte destinados à ditadura, e a liberdade para trazerem suas famílias. Infelizmente, Cuba não aceitou", publicou.





















O ministério ainda afirma que as mudanças propostas pelo presidente eleito "impõem condições inaceitáveis que não cumprem com as garantias acordadas desde o início do Programa" e que "estas condições inadmissíveis fazem com que seja impossível manter a presença de profissionais cubanos no Programa. Por conseguinte, perante esta lamentável realidade, o Ministério da Saúde Pública de Cuba decidiu interromper sua participação no Programa Mais Médicos e foi assim que informou a Diretora da Organização Pan-americana da Saúde e os líderes políticos brasileiros que fundaram e defenderam esta iniciativa".

O governo cubano diz não aceitar que coloquem em dúvida a "dignidade, profissionalismo e altruísmo dos colaboradores cubanos".

Cuba fazia parte do programa Mais Médicos desde agosto de 2013. Segundo o ministério, cerca de "20 mil colaboradores cubanos ofereceram atenção médica a 113 milhões 359 mil pacientes, em mais de 3.600 municípios, conseguindo atender eles um universo de até 60 milhões de brasileiros na altura em que constituíam 88% de todos os médicos participantes no programa".

A reportagem entrou em contato com o Ministério da Saúde brasileiro, que deve enviar uma nota sobre o assunto a qualquer momento.



Ajude-nos a manter este SITE e projeto, fazendo uma doação via PAYPAL ou PAGSEGURO


                          

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Use comentários moderados sem ofensas ou palavrões, comentários ofensivos não serão publicados.

Publicidade